Tragédia dos Comuns

COMO USAR O MODELOClique em SIMULATE para ver uma simulação com os parâmetros do modelo mostrados abaixo (role esta janela até o fim para ver os parâmetros). Para simular com outros valores para os parâmetros, altere-os ajustando as setas ou digitando os novos valores, e depois clicando novamente em SIMULATE.COMO FUNCIONA O MODELOO modelo ao lado é uma representação bastante simplificada do problema conhecido como a Tragédia dos Comuns. Dois pescadores A e B retiram peixes de um lago. A quantidade de Peixes Disponíveis no Lago, é portanto exaurida pelas Pescarias (de A e de B) e é renovada pela reprodução dos peixes a uma determinada Taxa de Reprodução.A quantidade de peixes retirada do lago (Pescaria A) é um Percentual A da quantidade acumulada total de peixes pescados por este pescador (Peixes Acumulados A). O mesmo acontece para o pescador B. Assim a medida que aumentam as quantidades acumuladas de peixes pescados por A e B, aumentam-se as quantidades de peixes pescados. Na verdade, esta é uma forma de representar que a medida que o tempo passa, cada pescador tende a pescar quantidades cada vez maiores, em função do crescimento da sua atividade (representada pelo acúmulo de peixes pescados).Infelizmente ambos os pescadores aumentam as quantidades de peixes pescados sem se preocupar com a reposição de peixes no lago. Cada um tenta tirar a maior vantagem para si sem se preocupar com a sustentabilidade do lago, a fonte de peixes.Enquanto a Sustentabilidade (=  Reprodução de Peixes - Pescaria A - Pescaria B) é positiva, a pescaria é sustentável, isto é, a reprodução dos peixes no lago é suficiente para abastecer os pescadores. Mas a partir do momento que ela se anula, aí já não nascem peixes suficientes para repor o que é pescado, e assim o número de peixes no lago começa a decrescer até se esgotar completamente.A partir do momento em que esta reposição não é mais suficiente para satisfazer a demanda dos pescadores, os Peixes Disponíveis começam a diminuir, até chegar a uma tragédia, isto é, à completa exaustão dos recursos comuns. A TRAGÉDIA DOS COMUNSEste problema é conhecido com o nome de Tragédia dos Comuns. É um problema bastante estudado principalmente por economistas. Em 2009, a economista Olinor Ostrom ganhou o Prêmio Nobel de Economia, defendendo que é possível estabelecer formas cooperativas de exploração de recursos escassos renováveis sem esgotá-los completamente, isto é, sem chegar à tragédia dos comuns. Até então, vários economistas defendiam que a forma mais racional de evitar a tragédia seria a privatização ou a estatização do bem comum. Nessa entrevista ao canal de TV Globo News, conheça um pouco mais de Olinor Ostrom e suas ideias. A economista mostra com a sua pesquisa, que é possível outras formas de governança econômica além da simples privatização ou estatização de bens comuns. Foi por causa dessa contribuição que ela ganhou o Prêmio Nobel de Economia de 2009.

COMO USAR O MODELO

Clique em SIMULATE para ver uma simulação com os parâmetros do modelo mostrados abaixo (role esta janela até o fim para ver os parâmetros). 

Para simular com outros valores para os parâmetros, altere-os ajustando as setas ou digitando os novos valores, e depois clicando novamente em SIMULATE.

COMO FUNCIONA O MODELO

O modelo ao lado é uma representação bastante simplificada do problema conhecido como a Tragédia dos Comuns

Dois pescadores A e B retiram peixes de um lago. A quantidade de Peixes Disponíveis no Lago, é portanto exaurida pelas Pescarias (de A e de B) e é renovada pela reprodução dos peixes a uma determinada Taxa de Reprodução.

A quantidade de peixes retirada do lago (Pescaria A) é um Percentual A da quantidade acumulada total de peixes pescados por este pescador (Peixes Acumulados A). O mesmo acontece para o pescador B. 

Assim a medida que aumentam as quantidades acumuladas de peixes pescados por A e B, aumentam-se as quantidades de peixes pescados. Na verdade, esta é uma forma de representar que a medida que o tempo passa, cada pescador tende a pescar quantidades cada vez maiores, em função do crescimento da sua atividade (representada pelo acúmulo de peixes pescados).

Infelizmente ambos os pescadores aumentam as quantidades de peixes pescados sem se preocupar com a reposição de peixes no lago. Cada um tenta tirar a maior vantagem para si sem se preocupar com a sustentabilidade do lago, a fonte de peixes.

Enquanto a Sustentabilidade (=  Reprodução de PeixesPescaria A - Pescaria B) é positiva, a pescaria é sustentável, isto é, a reprodução dos peixes no lago é suficiente para abastecer os pescadores. Mas a partir do momento que ela se anula, aí já não nascem peixes suficientes para repor o que é pescado, e assim o número de peixes no lago começa a decrescer até se esgotar completamente.

A partir do momento em que esta reposição não é mais suficiente para satisfazer a demanda dos pescadores, os Peixes Disponíveis começam a diminuir, até chegar a uma tragédia, isto é, à completa exaustão dos recursos comuns. 

A TRAGÉDIA DOS COMUNS

Este problema é conhecido com o nome de Tragédia dos Comuns. É um problema bastante estudado principalmente por economistas. Em 2009, a economista Olinor Ostrom ganhou o Prêmio Nobel de Economia, defendendo que é possível estabelecer formas cooperativas de exploração de recursos escassos renováveis sem esgotá-los completamente, isto é, sem chegar à tragédia dos comuns. Até então, vários economistas defendiam que a forma mais racional de evitar a tragédia seria a privatização ou a estatização do bem comum. Nessa entrevista ao canal de TV Globo News, conheça um pouco mais de Olinor Ostrom e suas ideias. 

A economista mostra com a sua pesquisa, que é possível outras formas de governança econômica além da simples privatização ou estatização de bens comuns. Foi por causa dessa contribuição que ela ganhou o Prêmio Nobel de Economia de 2009.

View the model in Insight Maker